19 dezembro 2014

Sobre Ele

Ele me chama de Rainha.
Ele chegou do nada. Ele é tão bobo quanto eu.
Ele é mais novo. Ele é culto. Ele faz trabalho voluntário.
Ele é o meu melhor segredo.

Ele tá ganhando meu coração.
Ele me dá medo.

O bom dia dele. O cheiro dele.
O beijo dele. O abraço dele.

Ele.

17 novembro 2014

Sobre não falar tudo o que penso

Há dias em que tudo o que eu queria era sentar e escrever, escrever e escrever.
Jogar fora essa multidão de sentimentos que às vezes dá sinal de vida.

Colocar pra fora todas as minhas opiniões, dizer tudo o que realmente penso, contar meu lado da história.
Mas aí, no segundo seguinte, penso que não vale a pena.

Penso que se eu fizer isso estarei me comportando como uma criança, irresponsável e inconsequente.
As palavras têm força. Talvez por isso, nos últimos anos, eu tenha me interessado tanto em aprender a calar.

Quando eu era mais nova eu sempre exibia minha opinião por aí. Às vezes eu ainda falo. Mas tenho tentado diminuir diariamente essa coisa de falar sem ninguém ter me perguntado nada.

Pra ser mais exata, ultimamente sempre penso: "Vai mudar alguma coisa se eu disser isso?", a resposta quase sempre é não. Aí eu calo.

Venho tentando melhorar como pessoa.
Prometi a mim mesma não mais entrar num relacionamento quando eu, de alguma forma, achar que não vai dar certo.
Cansei de tentar provar o contrário de coisas que são óbvias. Tentei de tentar dar uma chance, na ilusão de que sentimentos sempre são maiores do que fatos. E um grande fato na minha vida é: eu sou extremamente complicada de lidar.

E não, isso não é legal.
Na verdade isso é chato pra caramba. Mas não dá pra sair mentindo pro mundo e dizer olha que pessoa maravilhosa que eu sou.
Tenho lá minhas qualidades. Como todo mundo tem. Só não sou um poço de qualidades.

Eu ando sentindo raiva.
Raiva por saber que eu tô quietinha no meu canto e ainda assim tem gente fuxicando minha vida, falando de mim sem a menor necessidade.
Eu não entendo esse interesse na minha vida. Sério.

Eu tô tão feliz ocupando minha cabecinha trabalhando pra caramba, viajando e sendo apenas eu...
Não tô correndo atrás de ninguém e não tenho falado sobre ninguém.

O que é que eu fiz pra merecer isso?
Será que eu sou tão foda assim que mereço toda essa platéia?
Eu acho que não. Não sou tudo isso.
Só quero paz, sabe.
Ficar na minha, sem fofocas, sem comentários, sem briguinhas, sem indiretinhas.

Mudando de assunto...
Não vou negar que sinto falta de ter alguém... Até porque namorar é bom.
Engraçado que não sinto falta de alguém específico. Sinto falta de alguém que ainda não conheci.
Me sinto o Ted de How I met Your Mother. Sei que em algum lugar do Universo que está esperando por alguém como eu...

O que eu tenho pra me jogar agora é trabalho. É nisso que vou continuar focada.
Isso e minhas pouquíssimas amizades.

Uns anos atrás, percebi que fazer escolhas é sempre ter que abrir mão de algo.
Pela minha paz, ando abrindo mão de pessoas.
Coloquei na minha cabeça que eu não preciso do mesmo círculo de amizades de gente que não me faz bem.
Estou levando um pouco mais à sério essa coisa de "Soma ou some".
Não faz sentido carregar gente que não me acrescenta.

Acho que logo logo vou sair do Facebook de novo.



02 setembro 2014

Sobre planejar

E galerinha do bem, como é que vocês estão?

Eu sempre volto a escrever quando as coisas começam a "pegar" pro meu lado.
Dessa vez é um pouco diferente.

Estou acordada até tarde, ouvindo música enquanto organizo o iPod.
Ouço Roxette. Sim, sou velha.

E sim, estou sem sono.

A solidão pode ser boa.
Estou planejando minha próxima viagem. Será que vai rolar?

11 agosto 2014

Vida boa

A vida é realmente boa.
Boa música, livros, solidão.
Me sinto completa assim.
Tenho minhas companhias ocasionais. Minhas conversas, meus silêncios.

A vida é realmente boa.
Parei de perseguir sonhos, vivo de realidades.
Parei com idealizações. Embora eu ainda espere um grande amor, eu não tenho tanta convicção em relação ao sentimento.
Não mais.

Ainda assim, tô achando a vida bem boa.

06 agosto 2014

Livrai me do mal.

Só acho que Deus ouviu minhas preces.
Amanhã é dia de me livrar de tudo que possa trazer qualquer lembrança.

Não preciso manter por perto quem faz ameaças e chantagens. Por esse motivo amanhã me desfaço de todos os objetos.

Continuo não desejando o mal de ninguém. Nesse caso nem o bem também.

Na real, eu só quero ser esquecida, ser deixada em paz. Não quero meu nome na boca de quem não é presente. Não quero meu nome seja pronunciado nem que seja para falar bem.

03 agosto 2014

Status Quo

É tanta coisa que passa na cabeça.
Tanta
coisa.

Muita coisa.
MESMO.

Chegar em casa depois de uma noite de trabalho e com a cabeça fervilhando de pensamentos.
Hoje eu queria sair pra dançar, mas trabalhar numa rede multinacional de restaurantes e estar em fase de crescimento profissional requer algumas medidas cautelosas.

Tô sentindo muita falta da minha vida.
Dos amigos.
Sinto falta de paquerar sem sentir peso na consciência.
De ter alguém que de fato se interesse por mim. Não que não tenha. Mas ninguém é como eu espero que seja.

Se for fazer uma análise de todos os ex-relacionamentos chego a conclusão de que ninguém nunca soube me valorizar na hora certa.
Deram valor. Na hora errada.

A Baixinha só notou que me amava quando já havíamos nos machucado muito. E outra, não sei se ela teria culhões pra casar comigo.
A estudante de Direito não sabia o que era a vida real. Ao menos na minha opinião. Ela queria me manter e manter a Taurina do Rio ao mesmo tempo. Com ela eu errei. Mas ela errou comigo também. E nesse caso fui covarde. Eu poderia ter lutado mais pra fazer dar certo.
Por último temos a Ex. A Ex foi o melhor relacionamento. Não comecei a namorar estando apaixonada e fazendo idealizações dela. Ela era aquilo. Carinhosa. Fofa. Só faltou compromisso com a vida dela. E acho que isso me brochou muito. Ou soma ou some. Não quero uma namorada pra eu ser babá, mãe ou ficar pegando no pé. Não quero ter que discutir pra poder provar que eu estou certa quando digo: olhe pra suas notas na faculdade, olhe suas finanças.

E tem a moça de Hogwarts, sim, é assim que vou chamá-la.
Uma senhora paixão platônica. Uma pessoa que eu sequer beijei. Alguém com quem eu queria que desse certo. Alguém que admiro. Alguém de quem conheço o trabalho.
Mas eu me sinto tão idiota por gostar tanto dela.
E ela parece sequer lembrar da minha existência.
Enquanto isso, eu lambo o chão que ela passa.

Paralelo a isso tenho duas piscianas na vida.
Uma meio mimada e inconstante, muito mais nova que eu, mas que tem a cabeça no lugar.
E tem a Pisciana Corinthiana. Que só me provoca. Que só me manda mensagens mas não toma atitude.

Vou enlouquecer?
As opções são "sim" e "com certeza".

31 julho 2014

Era pra continuar falando mas...

Mudei de ideia.
Era pra continuar escrevendo sobre raiva, sobre coisas que me desagradam, mas eu não costumo gastar muito tempo com aquilo que não é bom.
Logo, se algo me irrita, isso não é bom. Se não é bom, eu corto da minha vida.

Mas se não vou falar sobre isso, vou falar sobre o quê?
Se for pra falar sobre o que ando pensando a resposta é bem simples: sexo.

A safra está boa. Acho que poucas vezes estive tão bem servida sem estar namorando.
E não falo com relação a quantidade, falo em relação a qualidade.

Acho que eu nunca liguei muito pra sexo. Gosto, faço, mas não sinto aquela necessidade: vou morrer se ficar sem.
Sou bem tranquila e me resolvo muito bem sozinha. Mas confesso que essa semana está diferente.

Sei lá o que está acontecendo, se são as conversas safadinhas que ando tendo ou se são as lembranças de algumas coisas que estão me fazendo pensar em sexo quase que o dia todo. Sei que a vontade anda grande essa semana.




29 julho 2014

O porquê eu me irrito

Ou melhor dizendo: Com o quê eu me irrito.
Tenho tanta coisa para escrever, mas tanta. Que acabei de olhar no relógio e perceber que não vai dar tempo.
Vamos seguindo a vida.

Mas ando irritada. Não com inúmeras coisas ou com a vida. Talvez apenas com a maneira como algumas pessoas específicas levam a vida.

30 maio 2014

Sobre o caminho

A vida vai passando e as peças vão se encaixando.
Parece que às vezes você realmente precisa passar por certas coisas para poder chegar do outro lado da ponte.

O destino é a felicidade.
Ou melhor, felicidade é o caminho, independente do ponto final.

Estou me permitindo. Me permitindo sofrer, me permitindo rezar, me permitindo ter paz.
Poucas vezes estive com tanta coragem e com tanto medo ao mesmo tempo.

Quem sabe agora vai...
Estou numa expectativa tão grande, como se eu soubesse que algo grande está prestes a acontecer.
Entreguei nas mãos de Deus.

17 março 2014

Podcast - DUPA 023

Bonitinho, gostosinho, e bem pop.
Aguardando sugestões de viagem para Buenos Aires

25 fevereiro 2014

Porta-aviões

Hoje não é um bom dia.
A semana não foi boa.
O domingo foi razoável.

Mágoas e mais mágoas ancoram no porto.
Meu coração é um porta-aviões, perdido no mar, esperando alguém pousar - como diria a música dos Engenheiros.

Hoje não é um bom dia. Não, não é.
Vejo publicações no twitter e tenho vontade de dizer: vai lá então com a tal leonina e me esquece, poxa.
Não venha dizer que me ama se tua boca procura outras bocas, se tuas mensagens de saudades não não são para o meu número.

Eu continuo sozinha.
Continuo porque acho que quando eu resolver enfiar outra pessoa num espaço mínimo que seja da minha vida é porque eu realmente estou dando o primeiro passo na direção de te esquecer.

Não tenho nada a ver com isso? Não, não tenho.
Egoísmo da minha parte? Talvez.

Só sei que hoje não foi um bom dia.
No trabalho, na vida, em casa. Tudo conspira.

Sabe, estou com raiva do "melhor amigo".
Domingo fomos no bloco, estava feliz, mas poxa: qual a necessidade de sempre ter que procurar uma foda?
Será que não sou companhia boa o suficiente? Na real, to de saco cheio. É sempre assim: combinamos algo e ele sempre enfia outra pessoa nada a ver. Foi assim no Athenas, foi assim com ela no jardim, foi assim no domingo no bloco.

Tô putíssima com isso. E com outras coisas.

Ao mesmo tempo tenho me sentido a pior pessoa do universo.
Sim, a pior.

Porque nem meus amigos consigo manter.
De toda essa história a minha mágoa é que poucas foram as pessoas que vieram me perguntar se eu estava bem com o término do namoro e olha que isso foi em agosto.

Ninguém me chama pra sair.
Ninguém.

Minha amiga japonesa está de mudança.
Choro toda vez que lembro disso. Toda vez. Todas as vezes. Sempre.
A Japa é mais especial do que ela imagina. Bem mais.

Me vejo entregue numa solidão. Numa ausência de em quem confiar.

Tá tudo dando errado hoje. Tudo.
No trabalho: cobranças.
No trabalho: uma folha de pagamento que não faz jus às minhas responsabilidades.
No trabalho: não recebo sequer um elogio.

33 dias para as férias.

Estou surtando.
Estou quase com 29 anos.
Estou triste.
Estou esperando alguém pousar.


21 fevereiro 2014

Sobre o Brenda ou um guia sobre como não se apresentar em redes sociais

Sim, estou no Brenda.
Não, não uso o aplicativo da forma ou para o fim ao qual ele foi criado.
Na real, eu gosto de entrar só para olhar.
É, só pra olhar mesmo. Por alguns motivos, mas já que chego neles.

Ando sem paciência para conversar usando o celular, tanto que estou quase desinstalando Whatsapp e outros IM's.
Só que não é essa "falta de paciência" que me faz não querer conversar com ninguém no Brenda.

Aliás, só pra situar: Brenda é um aplicativo de "paquera" voltado especificamente para mulheres.
A versão sapata do Grindr.

Pois bem, o que me faz não querer papo com a grande maioria das meninas do Brenda?
A maneira como a grande maioria dela se expõe.
- Erros grotescos de português na apresentação, que geralmente é pequena.
- Fotos. Sim. As benditas das fotos escolhidas.
Aliás eu poderia escrever um capítulo somente sobre fotos em redes sociais.

Vamos às considerações:
Fotos usando óculos escuros: Gata, se você está numa rede de paquera, por favor, mostre quem você é de fato.
Óculos de Sol esconde uma parte essencial na hora da conquista: os olhos.
Fora que de nada adianta você ostentar um Ray-Ban mas ser feia. E nem sempre dá pra saber se é verdadeiro ou uma cópia da 25 de março. O grande lance é realmente esconder uma parte do rosto. Se você não é feia, não tem porque esconder, certo?

Foto no espelho: Meu amor, se você não tem ninguém para tirar uma foto tua, e se tua câmera/celular não tem uma coisa chamada "timer" evite fotos no espelho.
Outro recurso interessante é a câmera frontal. Ok, você pode dizer: ah, mas a qualidade não é tão boa.
Ok, aí você tem um ponto, mas essa desculpa fica ridicula se você tem um iPhone. A qualidade da câmera frontal do aparelho é muito boa e dá pro gasto. Se você tirar foto no espelho com um iPhone e ainda ativa o flash, minha filha, na minha concepção tu é burra e não sabe usar o teu celular, muito menos fotografar.

Não preciso nem comentar sobre o flash no espelho né?

Outra coisa, se ainda assim você vai tirar foto no espelho, escolha bem o lugar.
Não acho bacana foto no espelho do banheiro com a privada aparecendo ao fundo, ou tirar a foto no quarto e ter toda aquela zona, coisas desarrumadas. De novo: é uma rede de paquera, saiba apresentar-se, saiba fazer o seu marketing pessoal.

Por último mas não menos importante:
Duck face: Ou o famoso bico. Sério, gente: QUAL A NECESSIDADE DISSO?

No mais, não entendo gente que coloca apenas uma foto. Afinal, se você tem um smartphone capaz de instalar o aplicativo, obviamente esse aparelho deve ter no mínimo uma câmera. Então pra que limitar-se a apenas uma foto quando você pode mostrar que é linda de diversos angulos?


18 fevereiro 2014

Sobre o casulo, primeiro de julho e o ano novo em Saturno

Não sei se meninas são tão mulheres, se todas tem truques, sei que todas têm confusões.
Se elas se metem entre pêlos e apelos. Sei que tudo isso são armadilhas (do demo). Braços e abraços.

Chegadas e partidas.

O que eu de fato sei, ou foi uma das conclusões as quais eu cheguei, é que eu definitivamente cansei de meninas. Cansei de moças.

Não que não me chamem a atenção, porque essa geração hormônio de frango está ficando uma belezura, o que acontece é que jurei de pé junto, e sim, eu sempre cumpro com a minha palavra - isso inclui mandar uma sms com um texto específico para uma pessoa específica toda virada de ano há pelo menos 8 anos - que eu não me meto mais com meninas. Só me enfio em confusão daqui pra frente por conta de mulher, mas meninas, moças, moçoilas e afins: NÃO MAIS.

O que difere uma menina de uma mulher? Se tem algo que tenho certeza que não faz diferença é a idade. Já conheci meninas de quase 30 e mulheres com apenas 21 anos.

Não é preconceito. É experiência. Pode ser que eu me surpreenda, mas por hora prefiro não arriscar.
Estou bem tranquila e solteira. Pretendo continuar assim pelos próximos meses.

A solidão sempre me fez bem. Não vai ser agora que isso irá mudar.
Sou o tigre e voltei a trancar as portas do castelo. A festa acabou e todos os convidados já se foram.
É hora de limpar a bagunça que ficou no coração.

Acredito muito nessa coisa de evoluir. E é isso que vou tentar fazer. São quase 29 anos.
Vou virar uma lagarta, construir o meu casulo e deixar o tempo fazer o resto.

Cansei de discussões que não levam a nada. E principalmente: cansei de ser a chata da história.
Eu sei que não sou uma pessoa fácil de lidar, tanto que eu tenho dificuldades comigo mesma. Não é que eu seja má resolvida, é justamente o contrário: sou muito dura, com os outros e comigo.

Esse tempo vai ser bom.
Se ano passado Paris me fez bem, acho que esse ano a Argentina fará melhor ainda. Vou livre, vou me reencontrar em mim.
Ser Fênix. Renascer.

E se é preciso derrubar tudo pra começar tudo do zero, é isso que vou fazer.
Toda roseira nasce mais forte depois da poda.

"Mas sou minha, só minha e não de quem quiser..."

03 fevereiro 2014

2014

Mais um ano na área.
Mais histórias para contar.

A Pós Adolescente continua pensando sobre a vida e principalmente sobre relacionamentos.

A idade acalmou meu coração sedento de conquistas e paixões.
Acho que se eu fosse antes o que sou hoje teria me quebrado menos e teria feito menos gente sofrer.

Só sei que tenho curtido essa coisa de estar tranquila.
Real Time Analytics