21 fevereiro 2013

De como sou desligada...

Eu sempre cortei expectativas sobre mim. Sempre. Por mais que não pareça, eu acho que não sou lá grandes coisas. Acima de tudo: sou chata. Sou chata pra caraleo. Sou exigente, cobro dos outros coisas que me foram cobradas: responsabilidades, cresça logo, se vire sozinha, isso tudo e muito mais. Às vezes acho que eu poderia ser melhor, e eu sei que posso. Tenho oportunidades para melhorar todos os dias, mas como eu disse ali em cima: sou desligada. Muito. Muito mesmo. Inúmeras vezes falo e faço coisas que magoam as pessoas. Por vezes é ausência de atitudes o que magoa. E acho que por isso sempre bato na tecla: não espere nada de mim. Nada. Eu faço tudo, tudo mesmo, o que for preciso pra ver um amigo de verdade bem, mas até eu me ligar que ele tá precisando de ajuda, ah, vai um tempo. E isso tudo vale pra relacionamento também. Com o tempo eu vou ficando acomodada. Isso é tão ruim. Tão ruim. Não é que eu goste menos, muito pelo contrário, mas é que eu simplesmente não percebo que as pessoas têm algumas necessidades que são constantes. Eu sou inconstante. Ariana, né? E por ser inconstante nunca disse o tempo todo o quanto as pessoas são importantes pra mim, e olha, elas são importantes. Amigos. Amores. Eu só percebo que fiz burrada quando é tarde demais. E teoricamente eu sou grossa, uma ogra educada e polida, mas uma ogra. Às vezes me sinto como a Fera e isso dói tanto, tanto.
Real Time Analytics