25 abril 2011

Sobre o #eusougay e a Ditadura Gay



Aí falamos sobre o #eusougay que muita gente tem apoiado e que tem também uns “gato pingado” que não entendem qual é a da campanha.

É gostoso ver as pessoas falando sobre. E o que defendo aqui, ao postar o conteúdo do site do projeto, o www.projetoeusougay.wordpress.com (cuja data limite para envio de fotos é até 1 de maio) não é que todo mundo tem que ser gay lésbica ou coisa do gênero. O que eu defendo é respeito. Como eu disse num outro post: defendo o ser humano.

É chato ler artigos como esse do vereador de São Paulo, Carlos Apolinário (DEM) E é chato não porque ele expressa a opinião, mas porque tem um entendimento errado do que é a luta pelos direitos LGBT. É claro que se a lei que pretende ser aprovada for contra a liberdade de expressão eu serei contra. Não sou contra você defender o que você pensa, desde que não ultrapasse os limites. Não é assim com o racismo? Não é assim com os preceitos religiosos?

Cada um faz o que bem entende da própria vida. Aceitar e respeitar são coisas distintas. E não busco aceitação, o que quero é respeito. Nada mais que isso.
Acho no mínimo curioso, que o vereador diga que “Não é correto usar o dinheiro público para dar privilégio a um grupo.” quando o Estado promove uma cultura de assistencialismo e supri com Bolsa Isso, Bolsa-Não-Sei-Aquilo uma série de carências que deveriam ser extintas com política social e outras coisas.

Não estou pedindo dinheiro, estou pedindo menos violência, não só com gays, lésbicas, negros ou asiáticos, mas menos violência contra o próximo.

Comente primeiro

Real Time Analytics