07 setembro 2010

Querido Diário: Feriado Molhado

Curtam ou não, ainda não morri. Embora às vezes essa seja a maior vontade. Mas eu estou bem. Não está tudo como eu gostaria que estivesse, mas estou viva, tenho saúde, tenho um trabalho e a vida amorosa poderia ser BEM pior.

Os últimos meses tem sido bacanas. Depois de uma senhora "pisada de bola" em julho, as coisas estão caminhando. Tenho me adaptado a nova realidade sem "rótulos" mesmo sentindo falta de dar nome aos bois.

Graças a Deus voltou a chover no Estado de SP após muitos dias de seca. Tempo que conseguiu foder com o meu nariz de uma maneira não escrita. Esse ar seco resseca e atrapalha na hora de respirar.

Estou com planos de voltar a escrever com frequência aqui pro blog. Mas por enquanto são apenas planos.

Um ano atrás era uma data feliz e triste ao mesmo tempo.
Acho que hoje as coisas não mudaram muita coisa. O fato é que minha vida continua dependendo dos outros. O que me dá uma sensação ruim. Eu simplesmente não gosto de depender dos outros... Talvez por isso me demore a gostar de alguém.

Encontros e desencontros e grandes reflexões sobre relacionamentos em geral, acho que posso resumir os últimos meses nessa frase.

Expectativas, desejos e impulsos.

Ontem não foi um bom dia. Na verdade, não foi uma boa noite. Por mais que eu tivesse motivos para comemorar, mas uma vez que fatores externos à minha vontade não me permitiram comemorações parti em busca de outras coisas. Nessa hora entra meu sexto sentido que mais uma vez eu desconsiderei.

Uma coisa é achar que algo não vai dar certo outra coisa é ter certeza disso.
Imaginar uma vida e ter que desfazer-se de planos não é algo relativamente fácil de lidar. Principalmente quando envolvem planos, sonhos e sentimentos plantados anos atrás e cultivados durante um bom tempo.

Planta certa na terra errada. Ou adubo na hora errada. Metáforas. Mais uma entre tantas outras.
Poderia ter sido. Não foi.
E os tempos mudaram. Os corações partiram pra caminhos opostos. Novas pessoas surgiram. Fica uma certeza: ninguém será igual. E é preciso compreender e abrir-se ao novo.

Anos...
E ainda assim tem muita coisa martelando minha cabeça.
A chuva que cai lá fora derrama a água que eu não consigo chorar aqui dentro.

3 já falaram

Anônimo disse...

Uebaaaa! Voltou?! Sempre dou uma olhada por aqui e..snif, né? Adoro seus textos e espero que não esteja só nos planos, volte pra sempre, ok? Bjs e fique bem!

Binha

Pensando disse...

Nossa sempre gostei de seus textos..espero q, possoa postar fatos felizes futuramente..porq pelo visto a coisa está russa. Como diz uma amiga..o jeito é relaxar..uma momento desses passa!

Títi disse...

vai voltando aos pouquinhos!

entendo o que diz sobre depender dos outros! É TRASH!

Real Time Analytics