30 julho 2009

As mulheres da minha vida: o balde de água fria

No último capítulo eu dividi com vocês um pouco de tudo o que eu estava vivendo. Estava feliz embora não demonstrasse tanto para a Baixinha. Depois de tanto tempo tendo e perdendo a mesma pessoa, tinha medo de perder de novo. Esse medo de perder me fazia ter ainda mais medo de sofrer de novo, de me doar 100% como fiz tantas outras vezes.

A questão era: não era que eu não gostava o mesmo tanto de antes, eu só não demonstrava tanto. Até porque ficar provando todo dia que ama alguém é uma tarefa árdua. No fundo eu desejava era que a Baixinha confiasse em mim e no meu sentimento por ela.

O grande problema de toda essa história foi justamente isso: confiança. Eu confiava tanto na gente e nela que queria começar a pensar em casar, afinal eram 3 anos e pouco de um relacionamento conturbado, mas tempo suficiente pra poder afirmar que eu a conhecia muito bem e ela a mim. Tempo mais do que suficiente pra saber dos defeitos daquela menina cabeça-dura e ainda assim amá-la.

Todavia a Baixinha nunca se relacionou com outra menina. E os pais dela são bem, mas beeem tradicionais. Pra ela sair de casa seria um parto. Literalmente. Seria uma nova vida e uma partida. Abrir mão da família nunca fez parte dos planos dela. E cada vez que eu pensava em deixar nosso compromisso um pouco mais sério eu recebia baldes e mais baldes de água fria. Queria ter comprado alianças nessa época, mas sabia que ela não iria usar. Coisas bobas, mas que para mim sempre tiveram significado.

A Baixinha é taurina. A minha definição para taurinos é "touro = ciumes²". Começaram a surgir briguinhas por conta de ciúmes. Acho que não é segredo, mas eu sou uma pessoa um tanto quanto comunicativa, logo sempre saia com os amigos, sempre conheci gente nova e venhamos e convenhamos até que não sou tão feia. Tenho lá os meus encantos. Isso somado ao ciúmes da minha pequena era motivo pra algumas birras dela. O problema não era a birra em si. O problema era que eu perguntava o que ela tinha e ela soltava aquele "Nada" bem seco, como se eu não a conhecesse tão bem a ponto de notar que ela não estava normal e que estava emburrada com algo.

Aí já viu, né?
Briguinhas = mágoas. Várias mágoas juntas + balde de água fria na cabeça = insatisfação. Eu ainda amava, mas não consigo viver sem sonhos. No fundo só esperava que ela sonhasse junto comigo. E a ausência de sonhos minou nosso relacionamento, até que chegamos num ponto que estávamos tentando reanimar um corpo em coma há muito tempo.

Não deixei de gostar. Mas percebi que aquilo estava me fazendo mal. E se tem algo que aprendi justamente com ela foi a me dar valor. Não que ela não desse, mas nas palavras dela: "Você merece estar com alguém que possa estar com você" e na cabeça da Baixinha ela não podia.

Abrir mão de alguém que você não gosta já é difícil. Abrir mão de alguém que você ama é dez vezes mais difícil. Foi assim que começamos a nos distanciar...

26 julho 2009

Querido Diário: Como anda o coração

Às vezes, pra falar a verdade é quase sempre, tenho a impressão de que estou numa inércia desgraçada. Quer dizer: não eu, mas meu coração.

Sabe quando você se interessa por alguém, imagina que pode dar certo, e de fato poderia, mas surgem outras coisas? Outros problemas? E toda aquela sua empolgação some? Pois é, estou quase assim. A diferença é que minha empolgação vai e volta, tal qual as ondas do mar. Clichê? Sim! Bem clichê.

Minhas construções verbais não andam das melhores. A ordem das palavras nem sempre é a mais bela, mas ainda assim insisto em escrever.

Ando misturando sentimentos do tipo: "Quero namorar", "Quero me apaixonar", "Quero ficar sozinha" e "Quero curtir muito"... Cada hora quero algo, e por não saber direito o que quero acabo ficando na mesma.

Se por um lado minha vida profissional anda a mil maravilhas, a sentimental anda assim do jeito que está: Conheço pessoas novas e novas pessoas mas quem disse que consigo deixar nascer qualquer tipo de sentimento? Até rola uns beijos nas baladas por aí, mas tão superficial que acabo me chateando muito mais do que curtindo.

No fundo talvez eu espere que algo aconteça mais ou menos como aconteceu antes: uma amizade bacana e depois um envolvimento impossível de segurar. Mas aí penso também se não estou idealizando demais... Será? Será que querer tudo certinho, bonitinho, conto de fadas é querer demais? Será que nunca mais vou sentir por outra pessoa coisas que já senti antes?

Semanas atrás algo até começou a brotar no peito, todavia o tempo e as circunstâncias foram inimigos de um sentimento bonito que foi plantado por mim. Por conta disso o que nasceu é feito erva daninha, que a gente arranca mas volta a nascer. Aí vocês perguntam "Menina do DUPA, por quê você não deixa nascer?" e eu respondo: Por vários motivos que não cabem aqui por agora, mas que em breve (ou não) possa ser que eu coloque aqui.

25 julho 2009

Selo Mágico

Não, não pensem bobeira. Não é "daquele" tipo de selo que eu estou falando.

Enfim ganhei um selo do blog da "Afrodite, Deusa do Amor". Muito obrigada, viu?



E pra receber o selo, é necessário atender a algumas regras:

1. Postar o selo e estas regras
2. Responder o questionário
3. Indicar o selo para outros 5 blogs

Vamos às perguntas

• Uma música mágica: Sutilmente - Skank
• Um filme mágico: Amor além da Vida
• Uma viagem mágica: Uma já feita para Curitiba, PR. E outra que ainda é sonho: Amsterdã.
• Acessório de maquiagem mágico: Lápis de olho, simples, mas dá uma diferença.

E os 5 indicados são:

- Reflexo em Palavras
- Fala Rapha
- Garotas Nada Vazias
- Mãe eu sou Lésbica
- Chá, Twitter & Bolachas

E de Brinde o selo também vai para um blog parceiro que eu sempre indico o da Turma do Colore

24 julho 2009

Podcast - DUPA 010

Décima edição na área!
Curtinho, nem meia horinha, falando um pouquinho sobre ficar só nessa época fria do ano.

Download do Arquivo (25.39MB)


The Cure - Friday, I'm in love
Oingo Boingo - Stay
Eddie Vedder - Rise
Hunz - The messenger
Carla Bruni -Je Suis une Enfant
Fernanda Takai - Diz que fui por aí
Seu Jorge - Mina do Condomínio

Quem quiser baixar o álbum inteiro do Hunz é só visitar o site.

22 julho 2009

As mulheres da minha vida: Palavras de um passado

Não sei se vocês recordam, mas eu disse que eu andava tão feliz que escrevia muito naquela época. Até porque eu sou assim: costumo escrever muito quando sinto algo intenso, seja uma dor intensa, seja uma alegria intensa, seja porque ando pensativa, mas meus excessos me fazem escrever...

Pois bem: Vou compartilhar com vocês algo dessa época feliz da minha vida.
Esse é um texto que escrevi em maio de 2008, uma das provas da minha felicidade abundante...

Da Serenidade do Amor

Cada momento junto é muito bom. Esse final de semana foi o típico programa de casal apaixonado. Eu diria que perfeito. Seus beijos e abraços viciam. Mas o mais interessante é o fato de que foi um final de semana bem calmo, bem sereno, bem amor.

Porque esse tal de amor é bem diferente de outro sentimento muito bom também: a paixão.
Acho que depois de tanto sofrer com paixões que chegam tomam conta, e deixam essa pessoa que vos escreve um tanto quanto descabeçada, comecei a admirar mais o amor. Principalmente esse amor que eu sinto.

O amor que sinto é sereno, é calmo, é o sentimento que me dá vontade de passar uma tarde inteira abraçado contigo, tentando escapar das tuas mordidas (que eu também adoro).

Em paz. É assim que me sinto. Querendo mais da gente, mais de você e mais de mim.
É estranho olhar pro lado, procurar uma mulher bonita e ver que sempre acabo achando todas desprovidas de beleza. Acabo sentindo sua falta e me sentindo feliz. Falta porque... bem porque eu queria estar sempre com você por perto e feliz porque vejo que ganhei na loteria acumulada.

Cada dia que passa, ganho mais consciência do quanto você é linda. Sempre te achei bonita, mesmo quando estava desarrumada ou com cara de quem acabou de acordar, mas olhando pros lados eu tenho ainda mais certeza do quanto você é perfeita, do quanto você me completa.

Eu sem você até existo e sou feliz, mas com você minha vida fica muito mais bonita, muito mais especial.

O mais gostoso é saber que te amo, e não te dizer isso.
Aliás estou tentando segurar um pouco os "Te amo". Mas tenho essa certeza toda vez que olho bem dentro dos teus olhos. É aí que solto aquele sorriso bobo, que depois quando você não está mais comigo, me deixa, muitas vezes, com dor na bochecha de tanto sorrir.

Uma pessoa boba, apaixonada, querendo viver cada dia intensamente, de preferência ao seu lado. [...]

Tudo o que estamos vivendo tem sido mágico.
Quero me casar com você!

20 julho 2009

As mulheres da minha vida: Namorando novamente

Pois é, depois de algum tempo resolvi continuar a história real da minha vida privada.

No último capítulo eu e minha amada Baixinha voltamos a "ficar".

Era 20 de janeiro de 2008. O medo de nos machucarmos era grande, quase tão grande quanto nosso amor. Confesso que nunca estive mais feliz do que nos seis meses que se passaram depois dessa data, afinal um tempinho depois (re)começamos a namorar.

Tudo estava maravilhosamente bem. Eu não conseguia sequer olhar para o lado de tão apaixonada que estava. Ela me completava, sempre me completou. Minha felicidade era olhar naqueles olhos e sentir-me amada, cuidada. Tudo bem que a Baixinha não gostava muito de frequentar ambientes GLS, mas até nisso ela mudou um pouco... Até porque aí poderíamos trocar os carinhos sem ter que nos policiarmos tanto.

Ninguém, absolutamente ninguém dizia que a gente não se gostava.
Minhas atitudes estavam diferentes: Maio de 2008 por exemplo foi um mês e tanto. Eu sorria a torto e a direito. Suspirava, estava nas nuvens, andava mais serena, mais calma, menos ciumenta. Escrevia palavras de amor no espelho embaçado após o banho, escrevia cartas, bilhetes...

Eram mensagens no celular, emails, carinhos, ligações, almoços, cinemas.
Foi então que comecei a sonhar num futuro à dois, ou no nosso caso: à duas.

Foi então que comecei a pensar em casamento novamente...

12 julho 2009

Meio a meio

Vai e volta, vem. Vai-se outra vez... gosto desse seu jeito de passar pela minha vida, meio de repente, meio sem querer.
Meio que como morfina, que apazigua a dor por alguns instantes. Meio como cocaína, que faz com que você gaste todas as energias num só instante.

Aliás a vida depois de ti tem sido meio a meio. Meio ida meio volta, meio verdade, mentira, querer e não querer. Meio minha, meio dela, meio de ninguém. Nem lá, nem cá. Meio a meio.
Exceto nas palavras, que brotam intensas, derradeiras, como se nada mais restasse a não ser escrever.

09 julho 2009

Podcast - Dupa 009

Podcast baladinha em ritmo de férias e feriado - no caso o feriado é pra quem mora no Estado de SP.

Download do Arquivo (35.8MB)

Young Folks - Peter Bjorn And John
Psycho Killer - Talking Heads
So What - Pink
Just do It - Copacabana Club
Michael Jackson - Beat It
Michael Jackson - Billy Jean
No Doubt - Stand and Deliver (pedido da Thais)
Justice - D.A.N.C.E. (errei o nome da música no áudio)
Just Jack - Starz in their eyes

Tem também uma notícia da Angelina (linda) Jolie.

08 julho 2009

Correndinho

Passando pra avisar que o podcast tá pronto e só falta subir ele pra rede.
Para o azar de muita gente eu ainda não morri, e estou muito bem, obrigada.

A saga das Mulheres da Minha Vida (o que inclui a Baixinha) ainda continua... Apesar de estar quase chegando ao fim.

Beijos e beijas.
Até mais tarde com um podcast bem legal pra todo mundo.
Real Time Analytics