18 junho 2009

As mulheres da minha vida: Final do namoro, Maria Louca e o retorno da Baixinha

Como falei no último capítulo eu já queria terminar com a Índia em junho, mas estava perto do aniversário dela. Um pouco antes dessa data ela havia descobrido que eu a havia traído. Sim, eu já trai. Foi uma única vez e com o melhor amigo dela. Isso mesmo: o melhor amigo. Melhor amigo e gay ainda por cima. Então a questão confiança no relacionamento não andava lá essas coisas.

Segurei a barra por mais alguns meses. Mas fui me distanciando aos poucos. Eu ainda falava com a Baiana pela internet, mas já não sentia a mesma coisa, o mesmo desejo de conhecer, de a ter por perto. Nossa relação foi virando amizade mesmo, pelo menos do meu lado.

Enquanto isso ela se envolveu com uma guria de São Paulo, a Maria Louca. Quando eu tomei conhecimento desse envolvimento fiz um pequeno escarcéu. Não porque gostasse, mas porque pra mim era estranho alguém dizer que gostava de mim e se envolver com outra pessoa. Egoísmo? Filha da putagem? Imagiiina . Tanto falei que a Baiana resolveu parar de falar com a Maria Louca. Só que a Maria Louca gostava de verdade da Baiana. Uma paixão praticamente doentia. Foi aí que começou um dos infernos tanto na minha vida, mas principalmente na vida da Baiana.

Maria Louca fez ameaças, fez terror psicológico e outras coisas das quais não tomei conhecimento com a Baiana. Nesse meio tempo em agosto terminei com a Índia. Fiquei com outras garotas... E estava mega afim da Aspirante a Professora que eu tinha conhecido no Orkut de um amigo em comum. O problema é que a Aspirante a Professora namorava (na verdade acho que namora até hoje). A gente se envolveu, mas nunca chegamos a ficar de fato. Sempre saíamos, rolava todo um clima, mas nada acontecia. Eu queria aquela mulher pra mim. Lembro que na época cheguei a brincar, porque o nome da "Aspira" e da Índia, por acaso é o mesmo. Disse que ia trocar "seis por meia dúzia". Acabou que rolou um mal entendido entre eu, a Aspira e a namorada da Aspira. Nisso nós paramos de nos falar.

Nessa época eu também fiquei com a "Drogadinha Chata", que mais pra frente só me trouxe problemas. Depois disso passei a odiar ainda mais menininhas mimadas e com envolvimento com substâncias químicas ilegais. Passou um mês eu voltei com a Índia.

Não sei como cheguei até Novembro. Sei que em Novembro depois de muitas, mas muitas, mas muiiiitas brigas mesmo, meu namoro com a Índia acabou de novo. Tudo bem que depois disso a gente ainda ficou por várias vezes. Mas o namoro em si havia acabado mesmo.

Também foi em Novembro que depois de tanto tempo - mais de um ano pra ser exata - um milagre meio que aconteceu. Todo mundo sempre disse que eu e a Baixinha jamais iríamos voltar nos falar, que eu deveria esquecer e que ela nunca havia gostado de mim, enfim, maior galera sempre contra esse relacionamento ou o que quer que tivesse sobrado dele. Dentro de mim ainda havia o stigma de assunto mal resolvido. Sei que em Novembro de 2007 sei lá como e porquê, a gente voltou a se falar... Aliás Novembro foi um mês bizarro do começo ao fim...


______________________________________
continua...

10 já falaram

Turma do Colorê disse...

Seeeeeempre esse mistério no final! E lá vamos nós exercitar a paciência... hehehe

Beijos!
- ♀

Pri disse...

Poxa...
Espero cada capítulo de sua vida e sempre fico igual qdo chega ao final...
Anciosa demais!

Bjos

Drih disse...

Eu sempre começo a ler os seu posts com um copo de água e um diazepam do lado....aja coração...rsrsrs

Bjs

Larissa Cruz disse...

O episódio no post aqui retratado me lembrou essa música: "Everybody's talking how I, can't, can't be your love
But I want, want, want to be your love
Want to be your love, for real
Everybody's talking how I, can't, can't be your love
But I want, want, want to be your love
Want to be your love for real
Want to be your everything
Everything... "

P.S.: Sempre leio suas palavras.Invisivelmente.
Imagino, penso, percorro o trajeto de toda a história.
Contada abertamente a olhos estranhos.
"Que coragem", suspiro.

diariodeumaposadolescente disse...

Acho que vou pedir patrocínio pro blog a algum cardiologista...

Não é por querer gente, mas é que também não rola aqueles textos enooormes né?

E Larissa, adorei a música.

Rebeka disse...

Muittaaaaa informação rs :D

dany disse...

aaaaah! ja acabou?

quero saber mais sobre o que aconteceu entre vc e a baixinha, de todas, é a que eu mais gostei ate agora.


beijos!

strawberry fields disse...

olá!
sempre leio aki, mas estava sem blog...

mto legal!
aguardo cenas do próximo capítulo!!!!

Nina Ferri niferri@gmail.com disse...

Olá meninas
A jornalista Lilian Werneck que acabou de lançar o filme O Móbile: Admiração (curta-metragem que conta a história de amor entre uma artista plástica e uma atriz) concedeu entrevista ao Bota Dentro (http://www.botadentro.com/2009/06/para-mim-o-amor-e-um-mobile-um.html) contanto como foi a criação do filme e destacando a importância da mídia, da imprensa e de produções artísticas no processo de visibilidade da homossexualidade. Na entrevista, ela aproveita e disponibiliza o link para download do filme. Eu assisti e adorei! Da para assistir online também.

Nina Ferri (www.botadentro.com)

Alice disse...

A vantagem de ficar um tempo sem passear pelos blogs amigos é essa: quando a gente volta, tá cheio de novidades! Curiosa pelo próximo capítulo!

Real Time Analytics