28 maio 2009

A anta que escreve

Dando uma pausa no podcast e na série, resolvi desabafar, afinal este blog é um diário de uma pessoa crescidinha, que mesmo sendo - cóf cóf - gente grande, tem uns problemas dignos da mais alta dramatização juvenil.

O fato é que eu me sinto uma idiota às vezes. E não bastasse me sentir assim eu ajo conforme meus sentimentos. Isso faz com que eu ligue para um número que nem sequer está na minha agenda, mas que está gravado na alma. Eu ligo mesmo sabendo que isso deveria ser a última coisa a ser feita na face da terra. Ligo por conta de um egoísmo, de uma ausência insuportável: a ausência da Baixinha.

Bizarro? Talvez.
E quero morrer com isso. E não é morrer num sentido figurado não. É morrer mesmo. Porque me sinto incapaz de seguir, mesmo sabendo que tenho forças, que se eu quiser eu consigo. É tudo tão mais complicado na minha cabeça e no meu coração que eu me perco.

Não é que eu não aceito ter perdido. Eu aceito. O que eu não aceito é ter errado.
Malditas fucking cobranças... O ruim é seguir e ficar com esse gosto amargo de derrota na boca.

Não é uma obsessão. Não, não é. Isso tudo é consciência de que ela me fazia muito bem. Um bem que nenhuma outra pessoa fez ou faz. E fica difícil de alguém acertar a mão no tempero da coisa de novo. Porque eu fico me perguntando: Como e porque vou achar outra pessoa, se tudo aquilo que eu procurava eu achei?

Estranho né?
Pois é. E toda essa onda de pensamentos me sufoca.
E dói. Dói de um jeito que eu acho que doeria menos deixar de viver.
Morte nesse momento não me vem como sofrimento. Vem como alívio. Um alívio covarde e egoísta. E sim, eu sou covarde. Uma covarde metida à besta. Metida à mártir.
Tão metida à mártir que prefiro, consciente ou não, continuar vivendo essa maldita dor.

Eu poderia simplesmente mudar? Sim. Mas algo me prende.
E eu não sei o que é. Definitivamente eu não sei o que é.
Aí eu choro. Choro como chorei no sábado, sozinha no carro voltando do programa com amigos, choro quando lembro N coisas e choro quando escrevo textos de merda como este que você lê agora...

E toda essa consciência de sentimentos, pensamentos, e etc, etc, me maltrata.

No fundo eu só queria amar de novo. E sei que não é procurando que vou encontrar isso... É me permitindo. E quem disse que consigo? Quisera eu ser menos fresca...

Sei que se o desejo de morrer é, como dizem por aí, pecado, quero então cometer o último dos meus erros.

(e não se preocupem... isso passa... na verdade eu espero que passe...)

12 já falaram

Ana disse...

Olha, você pode não acreditar e pode parecer cliché, mas te digo...vai passar, trust me.

Pra que você acredite vou te contrar minha história: Eu namorei uma menina e nós éramos completamente perdidamente loucamente apaixonadas, a gente namorou 2 anos... por m motivos que não dependiam de nós duas, principalmente a idade (eu tinha 14 anos quando a gente começou a namorar) e a impossibilidade de tomar decisões e seguir caminhos nessa situação, a gente terminou.
Foi um sofrimento que eu não consigo nem descrever, a morte parecia melhor mesmo, e de uma certa forma eu sentia como se uma parte de mim estivesse de fato morta.
Depois eu tentava me apaixonar de novo, e como você disse a gente tem aquele sentimento que perdeu a pessoa perfeita.. a gente fica remoendo o quão maravilhosa era a tal pessoa e como nós éramos felizes e depois disso o resto do mundo parece extremamente sem graça... pois bem, o tempo passou e a dor foi amenizando, mas a saudade e o sentimento da tal perfeição ainda continuavam.
Com o tempo eu parei de procurar, cansei de me frustrar ao tentar encontrá-la em outras pessoas.. e aceitei o inevitável, a única pessoa que podia me "salvar" era eu mesma. Demorou uns 2 anos pra eu chegar a essa conclusão...
Eu levei a minha vida, deixei o amor de lado, parei de procurar a tal substituta... se eu a esqueci? Jamais, eu tenho um amor enorme por ela, mas é um amor diferente, uma espécie de amizade, eu não queria voltar pra ela hoje.. e eu sei que ela sente o mesmo por mim.

A questão toda, onde eu quero chegar..é que, não vai passar enquanto você não QUISER que passe.. se você se prender a essa idéia de que ela é a última e a única você só vai se machucar, acredita em mim...ela não é a única!

Um belo dia (mais precisamente uns 2 meses atrás) eis que aparece alguém, e foi amor a primeira vista, eu me apaixonei loucamente... e posso te dizer que a atual é mais bonita, mais interessante, mais engraçada etc etc ou seja, ela não era a única..se vai dar certo? Não sei, mas uma certeza eu tenho, não importa o que aconteça...tudo passa, e se não for ela, vai ser outra e quando a outra aparecer, com certeza vai ser melhor ainda.

Desculpa a o texto gigante, eu só queria que você soubesse, eu já passei por isso e sei como é..e acredita em mim, tudo muda, o mundo da voltas..mas no fundo quem você procura é você mesma. Faça algo novo, um esporte, um curso de idioma, compra roupas novas e pensa: hoje é o dia que eu posso encontrar ela (não a baixinha, a "nova"). Não desanima, essas experiencias apesar de traumáticas e dolorosas transformam a gente em seres humanos bem melhores...e pros que sofrem intensamente, a felicidade vem com a mesma intensidade. Força garota, move on!

Turma do Colorê disse...

Malditas fucking cobranças...
Tenho que aprender com essa sua história e ter a plena consciência HOJE de que o que eu tenho no meu namoro é tudo o que eu quero porque se não corro o risco de acabar lamentando a perda dessa perfeição toda por ter exigido algo mais do que perfeito. Que tolice né, como que a gente tem tudo e ainda quer mais? Vou ficar aqui mergulhada de cabeça no meu tudo, seria o maior dos erros deixar ele escapar.

Espero que não demore muito até você se apaixonar perdidamente por um novo alguem, como fez a Ana.

Beijos
- ♀

lilly disse...

ohh ninha ñ fique assim tudo passa msm
vc parece ser uma pessoa tao legal
tao lendo seu blog a um tempo ja
e acredite ninguem merece sofrer tanto por outra pessoa eu sei q é foda esquecer mas tente ñ sofrer tanto amore é tao triste ver os outros tristes bjao fica bem

Fala Rapha disse...

Ow Gatinha, todo mundo passa por isso, sabe? É um vazio de dentro que é horrível... Mas com o tempo passa, tudo passa nessa vida, coisas boas e ruins tbm.

Lisa disse...

Sabe, desde vc começou a contar toda a história com a Baixinha, eu me identifiquei um monte. Aquela coisa: eu lésbica, ela (se dizendo) hetero, mas os olhares e gestos desmentindo isso, a convivência quase diária, ela me fazendo feliz e vice-versa. A diferença é que antes mesmo de acontecer qualquer coisa entre nós, ela se afastou e eu resolvi deixar assim. E agora, lendo teu texto, eu me identifico de novo. Estou inclinada a acreditar que, com relação à ela, é melhor a via de mão única do que via nenhuma. =/

Dri Viaro disse...

Oi, vim conhecer seu blog, e desejar bom fds
bjs

aguardo sua visita :)

Pettit disse...

nossa nossa nossa ..... achei isso td tão mais tão profundo.... que chorei ,chorei por estar sentindo as mesmas coisas que vc, agindo da mesma forma, me achando fraca covarde. Vc conseguiu transmitir neste post oq eu nao consigo transmitir nem pro meu travesseiro... me sintotao mal por ser assim....aiiii droga e sabe oq é pior???? estou no inferno astral.......se vc for como eu tera picos...dias bem dias mal....vamos nos acostumando...se cuida guria e juizo! bjao

Alice disse...

Nada do que eu lhe disser nesse momento vai resolver. Dizer que vai passar, que o tempo cura, que depende de você... São todas verdades, mas dizê-las não irá tirar essa tristeza em você. Espero, de coração, que você descubra isso por si mesma: que sim, o tempo cura tudo, e que ninguém mais pode ajudá-la, só você mesma. Força e coragem são o que lhe desejo.

Susi disse...

Calma, isso vai passar...

Free disse...

Se ela é a pessoa certa, então traga-a de volta pra sua vida.
Eu não sei como ficou a situação depois que vocês brigaram, mas, sei lá, se a ligação entre vocês é tão forte, certamente ela sente o mesmo por você, por mais que você tenha errado.
Tente se reaproximar, levante a banderinha branca...tente começar de novo...todo mundo merece uma segunda chance.
De repente, desta vez, vocês se tornem amigas de novo, e você consiga seguir em frente.
Talvez vocês voltem ao "quase" namoro.
As coisas podem dar certo, ou não.
Talvez essa seja só uma crise momentânea.
De toda forma, avalie realmente o que você quer.
Se é tentar de novo, dê uma segunda chance a si mesma e lute por ela, não fique em dúvida, por que, na minha opinião, ficar em dúvida é uma tortura pior do que os próprios fatos consumados.

Em todo caso, siga em frente, sempre, e tente ser melhor a cada dia.

bjos

Ylana disse...

Vou entrar na onda da galera do apoio ae. Segura a onda...

Pensando disse...

Ahh essas baixinhas..Bom como todas aqui to te apoiando..e realmente não existe receita, mas o importante é se permitir. E tem uma música do Lenine que pelo menos pra mim faz sentido hj.
..Daqui desse momento meu olhar pra fora é só miragem.A sombra do futuro, a sobra do passado assombram a paisagem.e como ainda na música..Vire esse jogo e transforme a perda em recompensa..e quando vc olhar pro lado vc vai estar sercada só de quem te interessa!
Bjs

Real Time Analytics