16 abril 2009

As mulheres da minha vida: O Grande Amor IV - 2005 chegou

Eu sei que a história tá longa, mas acho que pelo menos essa parte merece ser bem explicada, afinal todo mundo tem um grande amor, certo?

Antes de continuar narrando minha história com a Baixinha, queria que após ler esse post vocês dessem uma passadinha num blog muito bacana que nasceu faz pouco tempo o Turma do Colorê. Além do layout que é um lusho o conteúdo também é super bacana! Aproveitando a deixa: Diário de Uma Pós Adolescente agora também está no Twitter: /dposadolescente

E se você chegou agora aconselho a ler os outros posts da série.

Agora sim continuando.
No último capítulo chegamos ao ano de 2005 cheias de mensagens e uma amizade muito forte crescendo cada dia mais. Pra quem ficou com dúvidas: o lance do apartamento foi uma tarde em outubro e não aconteceu nada, só ficamos conversando e olhando a paisagem abraçadinhas, só isso e nada mais.

Depois que 2005 chegou começamos a bater cartão no cinema, sempre estávamos juntas e eu comecei a ajudar na lanchonete dos pais dela aos finais de semana. Ela me contou que havia ficado com o Branquelo que eu era afim, mas nem liguei tanto, até porque ela disse que ele beija mal =X. Nesse meio tempo fiz outras amizades, entre elas o Sr. Matrix.

Sr. Matrix foi mais um dos rolos, nessa época ele havia dado um tempo no namoro dele, nossas conversas e amizade cresceram, mas a grande maioria dos homens não sabe separar boas conversas de outros sentimentos. Resultado final dessa amizade? Sr. Matrix afim de mim, eu afim da Baixinha e a Baixinha afim do Sr. Matrix. Aliás a Baixinha sempre tinha alguém afim dela. S E M P R E ! O que me causava um ciúmes digno de me mandarem pro MADA - Mulheres que Amam Demais Anônimas.

Quando não era o melhor amigo, era o colega de classe, o Branquelo, o amigo do Branquelo e toda corja de machos possíveis.

O tempo foi passando e março chegou. Quase junto com o outono chegou também o meu aniversário e com este uma linda cesta de rosas brancas e vermelhas logo pela manhã. Adivinha de quem? Quem respondeu "Baixinha" acertou! Dessas rosas separei duas pétalas, uma de cada cor, uma ficou com a morena e a outra está na minha carteira até hoje.

Cada dia que passava nossos carinhos aumentavam, eram beijinhos na testa, na bochecha, mãos dadas no cinema e uma vontade que crescia em mim e nela também. Ela ainda gostava do Baterista mas sofria menos.

Exatamente um mês depois do meu aniversário, no dia em Cabral descobriu o Brasil, eu descobri o quanto era bom o sabor dos lábios da minha Baixinha.

Era aniversário dela.

De manhã bem cedinho meu presente chegou: Uma cesta de café da manhã, um cartão e o Johnny - o cachorro de pelúcia mais fofo do mundo. Detalhe: Johnny além de grande era cheiroso, tinha tomado banho de perfume antes de ir pra cesta de café da manhã. Não por acaso o meu perfume.

O pai da Baixinha queria fazer uma festa surpresa, logo eu fiquei encarregada de distrair a moçoila até um determinado horário. Conforme o combinado eu a enrolei. Fomos ao shopping trocar uma camisa do "sogro" e depois passamos na minha casa para buscar o carro. Lembro que nessa tarde por várias vezes vivemos cenas de filme, quando o casal principal troca olhares e sente vontade de dar AQUELE beijo, mas quando estão quase lá algo acontece: ou o telefone toca, ou alguém passa na rua, enfim, N coisas.

Chegamos na casa dela, a festa surpresa rolou: parabéns, bolo, fotos e tudo mais. Fim de festa todo mundo vai embora e eu fico pra ajudar a arrumar a bagunça.

Parte da bagunça arrumada todo mundo vai dormir. Exceto nós duas que como sempre ficamos conversando, desta vez na escada da casa do fundo. Era abril e a noite estava um pouco fria, ao que ela sugeriu que fossemos conversar no quarto dela.

Deitamos na cama e ficamos conversando. A gente sempre teve muito assunto. S E M P R E . De frente uma pra outra a cena de filme voltou a acontecer: aquele momento mágico em que os olhos se cruzam e o mundo parece parar por um instante. Pode parecer que estou "floreando" demais, mas aconteceu desse jeitinho mesmo. Nesse momento, esse um segundo antes do beijo, ela se deu conta da situação e virou de costas pra mim dizendo que não era certo, que ela não podia. Eu apenas respondi: "Você não pode ou você não quer?". Nisso ela virou de volta pra responder um "Não posso". Momento filme de novo: sabe quando você vai chegando perto sem beijar? Fica ali roçando os lábios, sentindo a respiração? Bem que tentamos ficar assim, mas quem disse que conseguimos? Foi aí que aconteceu o tão esperado beijo. Um beijo que começou manso como uma brisa que acaricia o rosto e que foi aos poucos se tornando num furação. Um furação que conquistou o que faltava do meu pobre coração, um furacão que transformou minha vida. Assim foi o meu primeiro beijo na Baixinha


_____________
continua...

12 já falaram

Isa disse...

Que linda a sua história com a Baixinha! *.*

Devia escrever livros de suspense... Me mata de curiosidade!

Bjo moça.

ah ;D disse...

Cara, leio seu blog desde o fim de fevereiro(se não me engano), e essa
história das mulheres da sua vida e da 'Baixinha'(em especial) me fazem OBRIGATORIAMENTE estar aqui sempre.
Vou admitir que tenho uma certa 'raiva' em chegar no fim do post e aquele 'continua'; mas estou aqui sempre, estou superando !

beijos e parabéns pelo blog e pelas histórias lindas !

Thais disse...

ai q historia linda, suspiros profundos, quero ver o fim disso logo

seu nick ta certo
beijos

Lulu disse...

Ainwww!
Conta logo tudo!
Não sei por quais links, acabei parando aqui. Leio o blog desde março, algo assim...

Mas a história tá ótema!
Mas não demora muito pta postar a continuação, ok?

Abraço!

Fernanda disse...

Primeiramente obrigada por ter respondido sobre o que (não) aconteceu no apê, fui eu quem perguntou! ;)
Confesso que fiquei pensando altas coisas entre você e a Baixinha no apê, mente fértil é isso...rs
Esta história tá cada vez mais interessante e empolgante.
Já estou no aguardo da continuação!
Bjs

Turma do Colorê disse...

Pooooooxa!
Que orgulho de ganhar a sua atenção pro nosso humilde (porém aparentemente lushuoso) blog!
Temos que atualizar por lá pra fazer valer o marketing.
E eu adoro essas historias, já falei. O "continua..." que é realmente tenso. Mas não demora muito né? Heheh
Beijos! - ♀

Kynha disse...

Esto adorando.
beijos.

Verônica disse...

Meu, tá uma delícia ler essa série!
Sorte dessa Baixinha viver uma história tão linda e ser tratada com tanto carinho!
Estou adorando! Além de tudo é muito bem escrito, característica que sempre deixa qualquer blog com um "tchan" a mais.
Parabéns!
Beijão!

Cris. disse...

Caramba!
Eu comecei a ler seu blog junto com o inicio das "mulheres da sua vida" e virei fã!
Alias... Tenho aplicado o "suspense" nos meus posts tbm! :$ Hehehe.

Beijo.

Theo disse...

Aaaaahn... os papéis se inverteram!
Lembra q vc deixava comentários pedindo pra eu continuar as histórias?
kkkk

Agora é minha vez: o q aconteceu dpois do beijo???

Rafaela Luz... disse...

Nossa...que delicadeza...amei...

Vou soltar a franga:...mui lindo...

Alice disse...

Arrepiada aqui com esse beijo!

Real Time Analytics