31 dezembro 2008

Meme Literário e Adeus 2008

Recebi um Meme da Águeda do Antena Paralésbica. Ele consiste em:

1. Agarrar o livro mais próximo.

2. Abrir na página 161.

3. Procurar a 5ª frase completa.

4. Colocar a frase no blog.

5. Não escolher a melhor frase nem o melhor livro! Utilizar mesmo o livro que estiver mais próximo.

6. Passar a 5 pessoas.

Vamos lá então:
Livro: Uma aprendizagem ou o Livro dos Prazeres - Clarice Lispector
Como o livro não tem nem 160 páginas vou pra página 61, ok?

Com alguma dor então Lóri percebeu que Ulisses, apesar de dizer o contrário, não queria se dar a ela.

Já as 5 pessoas são:

Gay e Ok
Mundos Paralelos
Alice's Adventures in Lesboland
Cookie de Baunilha
Querida Bolacha

2008 foi um ano diferente. Espero que 2009 seja no mínimo igual ao ano que se encerra.

Nos vemos no Ano que Vem!

24 dezembro 2008

Melhores cenas no cinema

Estava eu passeando por quando me deparei com um post relacionando um outro blog com as melhores cenas lésbicas no cinema segundo os homens.

De Frida à American Pie, a seleção é boa, tendo em vista que nem todos não são filmes voltados para o brejo, tal qual "Assunto de Meninas" só pra citar um exemplo. Tudo bem que são cenas pra "macho" ver, mas venhamos e convenhamos, quem é que não gosta de ver duas mulheres num climinha, digamos assim, mais íntimo?

Na lista deles ficou mais ou menos assim:


5º - Rebecca Romijn & Rie Rasmussen (Femme Fatale)
4º - Neve Campbell & Denise Richards (Garotas Selvagens)
3º - Naomi Watts & Laura Elena Harring (Cidade dos Sonhos)
2º - Lisa Arturo & Denise Faye (American Pie 2)
1º - Salma Hayek & Ashley Judd & Karine Plantadit-Bageot (Frida)

A lista completa com os 10 filmes e as imangens de cada você confere aqui



Confesso que eu não lembrava da cena de Frida, juro que vou assistir de novo. Acho que faltou eles lembrarem de Gia, com a toda poderosa Jolie. E você, qual cena lésbica você achou mais interessante? Acha que faltou alguma?

22 dezembro 2008

Vai e volta?

Se tem uma coisa que ainda não entendi é se temos direito a errar várias vezes num mesmo relacionamento. E quando erramos, quantas vezes temos o direito de tentar corrigir esse erro. Tá confesso que reescrevi o começo do texto porque tava estranho, tinha muito "direito" pra cá e "direito" pra lá, mas isso não tem nada a ver com o post, é só uma nota mental.

Enfim. Terminar e voltar. Voltar e terminar e voltar novamente. Quanto isso afeta? Quanto desgasta? Até quando vale a pena voltar? Até quando é válido insistir? Vai de cada um. Vai do quanto você está disposto a arriscar, vai da quantidade de confiança que você tem.

Voltar só porque o sexo é bom é atirar no próprio pé. Voltar por conveniência, por saber que sempre vai ter alguém é morrer aos poucos, é se fechar a novas oportunidades.

On the other hand (adoro essa expressão em inglês que quer dizer: "Por outro lado") não voltar por orgulho, por medo, ainda gostando da pessoa e sabendo que a pessoa também gosta de você de verdade (alguém aí me diz o que é gostar de verdade?) é burrice. É deixar de, talvez, viver o amor da sua vida.


Tem horas que realmente a gente precisa de algo novo. E tem horas que realmente um relacionamento já deu tudo que tinha que dar. O ruim é quando o medo de sofrer novamente nos impede tanto de tentar algo novo quanto de tentar novamente.

Sei que essa história de medo é mais instinto, é auto-preservação, é proteção, mas tem hora que a gente tem que rasgar esse casulo e deixar a borboleta que existe dentro de nós abrir as asas. Até porque tem coisas que a gente só aprende vivendo na prática.

E se a decisão tomada for equivocada? Paciência. Pelo menos a gente aprendeu a lição. Tempo perdido? Talvez sim, talvez não. Mas é sempre melhor se arrepender de algo que fizemos do que viver na incerteza de não termos nem sequer tentado.

16 dezembro 2008

Podcast - DUPA 005

Quinto podcast.
Sem delongas



Download do Arquivo (31,8MB)

  1. Joss Stone - Tell me what we gonna do now ?
  2. Manu Chao - Infinita Tristeza
  3. Paralamas do Sucesso - Capitão de Indústria
  4. Madonna - Give it 2 me
  5. Jay Vaquer feat Meg Stock - Estrela de um Céu Nublado
  6. Marisa Monte - Não Vá Embora
  7. Daniel Powter - Bad Day (ao vivo)
  8. Coldplay - Clocks
Gostou? Comenta!
Quer pedir alguma música? Comenta também!

10 dezembro 2008

Quantidade, variedade e qualidade

Minha mãe sempre disse que o prato de comida tem que ser colorido, que quanto mais colorido melhor. Pena que isso não serve nos relacionamentos. Pena que variedade nesse caso, nem sempre quer dizer qualidade.

Há dias em que nem mesmo a mais bela das mulheres consegue fazer com que você se sinta legal. Às vezes nem a mais legal das criaturas do sexo feminino consegue.

Chega uma hora na vida que a gente se sente só mesmo estando com uma multidão ao redor, mesmo tendo sempre um peguete, sempre alguém no pé. Chega uma hora que mesmo com tudo isso a gente se sente vazia.

Tudo bem que suas amigas morrem de inveja da moreninha linda que te dá bola, ou da branquinha simpática que te acompanhou no último evento, ou da loira fantástica que te agarrou na balada. Tudo bem que isso faz um bem danando pro Ego, mas no fim, você se dá conta que ainda continua só. porque no fim você vê que não gosta de ninguém.

Ter o poder de conquistar várias meninas não quer dizer que você vá ser feliz nos seus relacionamentos. Pode no máximo significar que você nunca ficará sem um corpo do teu lado pra te esquentar. Mas tem hora que nem todas as mulheres do mundo conseguem fazer uma coisa tão simples: esquentar o coração.

09 dezembro 2008

Podcast - DUPA 004

Podcast Diário de uma Pós Adolescente número quatro! (Será que de quatro é mais gostoso?)

Download do arquivo (duração: 31 min)

Hoje toquei:

  1. Capital Inicial - O mundo
  2. Coldplay - The Scientist
  3. Los Hermanos - O Vento
  4. Maroon 5 - Harder to breathe
  5. Red Hot Chilli Peppers - Tell me Baby
  6. Paralamas do Sucesso - La Bella Luna
  7. Legião Urbana - Sete Cidades, pedido da Nara do Leskut
  8. Tears For Fears - Everybody wants to Rule the World (Extended Dub)

Quer pedir uma música ou reclamar? Comente ou use o mural ao lado, até porque sugestões são sempre bem-vindas!

No mais, quinta-feira tem "Diário de uma Pós Adolescente" no portal "Parada Lésbica" passe por lá e confira!

08 dezembro 2008

Sinceridade Infantil

Todo mundo sabe que criança não sabe mentir. Por mais que ela solte aquele "muito obrigada" durante o aniversário, depois de ganhar um par de meias daquela tia véia, que veio de longe e que nem sabe quantos anos a pequena criança completa, ela até pode tentar mas jamais vai conseguir disfarçar a cara de que esperava algo mais lúdico, por assim dizer. Tudo bem que tem muita menininha por aí com 6 anos de idade que adoraria ganhar um kit maquiagem, pra virar mulherzinha, coisa que eu reprovo, mas enfim, criança gosta mesmo é de brinquedo. E não é qualquer brinquedo.

Mas voltemos ao assunto do post: Acho que essa qualidade, essa de não conseguir disfarçar o que sente, deveria ser umas das coisas que deveríamos levar pro resto de nossas vidas junto com a gente. Principalmente nós mulheres. Tudo bem que tem homens que são enrolados, mas as mulheres que me perdoem, e olha que sou uma delas, nós somos muito enroladas. Mas muito enroladas mesmo.

Qual a dificuldade em dizer sim ou não? Dizer se quer ou não, se gosta ou não? Pra que tanto chororô? Todo mundo toma um fora um dia, então melhor tomar o quanto antes possível. De que adianta ser "educada", ser legal, se depois alguém sai com o coração partido porque achava que tinha chance? Prefiro um não bem dado à conversas só por educação.

Eu sou objetiva, se quero, quero, se não, não enrolo muito para dizer. Posso não ser direta, mas tenho certeza que dou a entender muito bem.

A parte ruim é que nós mulheres somos muito mais possessivas que os homens. O homem é possessivo quando gosta, já a gente mesmo não gostando, odeia ver a ex com outro ou outra.

Ah se todo mundo fosse igual criança e dissesse assim, na cara, se quer ou não, tudo seria tão menos complicado. Até porque se tem uma tecla em que bato é a de que relacionamentos começam e terminam todos os dias. Melhor tentar e ver qual é do que ficar no "Se". E se deu errado? Paciência. Bola pra frente, alguma coisa de positivo há de ficar, no minímo uma liçãozinha.



Mudando de assunto: Amanhã é dia de podcast. Tem algum pedido? Manda email ou escreve no nosso mural

03 dezembro 2008

Sobre adultos, paixões, medos e inseguranças

Às vezes eu fico imaginando como deve ser a vida amorosa dessas pessoas adultas de verdade. Pedoe-me o devaneio mas afinal o que é ser adulto de verdade? Será que existe adulto de mentira?
Segundo o dicionário Adulto é aquele:
que atingiu o seu pleno desenvolvimento;
crescido;
que alcançou a maturidade intelectual.

Mas quando é que estamos plenamente desenvolvidos hoje em dia?
Por isso me peguei pensando na vida sentimental de quem deveria, teoricamente, ser adulto. Será que esse desenvolvimento é tanto que eles não tem crises? E os medos? O que os adultos fazem com os medos? Aquele medo bobo de apaixonar-se e "se phoder-se", aquela insegurança, aquela dúvida em saber se a pessoa está correspondendo na paquera.

Nesse sentido acho um tanto quanto estranho deixar de ser adolescente. Talvez por isso eu acredite que eu seja o meio termo: ser "Pós-Adolescente" me permite ter medos, me permite saber que não tenho experiência suficiente pra ser uma pessoa desencanada.

Dizem que inteligente é quem aprende com erro certo? Certo. Mas quando começo a pensar em relacionamentos que dão errado, sempre penso na carcaça que criamos ao nosso redor, no medo que fica, o medo de se apaixonar de novo e sofrer de novo. Nos doamos menos, como se a pessoa que agora aparece em nossas vidas tivesse culpa pelos erros passados.

Tá, mas e aí? Como ficam os "adultos" nessas história? Como fica quem casa tarde, depois de diversos relacionamentos que acabaram com finais não tão felizes? Será que ainda há paixão? Ou será que a gente acaba namorando por conveniência? Por medo de não achar alguém bacana, ou simplesmente por medo de se apaixonar de novo?

02 dezembro 2008

Podcast - DUPA 003

Podcast de número três chegando na área. "Entre elas" versão internacional.
Download do arquivo (duração: 36 min)



  1. Alanis -In praise of the vulnerable man
  2. Lady Gaga - Just Dance, versão remix com participação de Kardinal Offshall
  3. Estelle - American Boy - com participação de Kayne West
  4. Penelope Cruz - Volver , tema do filme de Pedro Almodóvar
  5. Colbie Caillat - Midnight Bottle
  6. Mariah - Against all the Odds, música do Phill Collins maravilhosamente interprestada pela diva e na versão que ouvimos com participação do Westlife
  7. Alicia Keys - No One
  8. Pussycat Dolls - When I grow Up

Pra fechar: Madonna - Milles Away
Real Time Analytics